Home / Destaques / Conveniência política: Prefeito desconhece lei e minimiza papel da Guarda Civil Municipal de Salvador

Conveniência política: Prefeito desconhece lei e minimiza papel da Guarda Civil Municipal de Salvador

A disputa política onde a correria segue o passo da falta de avaliação técnica para a tomada de decisões é algo que prejudica a população. No Carnaval de Salvador, essa situação ganha contornos ainda mais preocupantes, visto que a segurança dos foliões e trabalhadores é algo fundamental para o êxito total da festa. Com proporções grandiosas, qualquer ocorrência é transformada em contexto vulnerável.

Queixando-se à imprensa sobre a decisão da Polícia Militar de manter distante aproximação dos foliões, o prefeito de Salvador afirmou que a Guarda Civil Municipal não possui poder de polícia para atuar de maneira mais ostensiva na festa. Engana-se o gestor que utiliza o discurso como forma de tornar público seu descontentamento com a decisão do comando da PM e/ou do comandante in chefe da corporação.

De maneira populista – como fez ao descer do camarote para a pipoca de um dos seus apoiadores, a saber, sempre envolvido em polêmicas com forças de segurança durante eventos – o prefeito tenta minimizar sua responsabilidade e imputar culpa a terceiros. Ao dizer que os guardas civis municipais não podem atuar por não ter poder de polícia, esquece-se do disposto entre os artigos 1° ao 5° da Lei 13022/14 (Estatuto das Guardas Municipais) que combinados com o artigo 144 da Constituição Federal conferem essa prerrogativa funcional de atuar diretamente nas ações de segurança.

Ao afirmar que o efetivo da GCMS é de cerca de 1.200 (mil e duzentos) servidores na festa, o prefeito – certamente orientado por auxiliar próximo sem competência para falar sobre a Guarda Civil – desconhece que apenas 1.010 (mil e dez) estão em condições de atuarem na Operação Carnaval 2020, dentre os quais, dezenas deles na proteção de patrimônio e atividades administrativas inerentes à referida operação. Outra responsabilidade negada neste caso, também fere a Lei 13022/14 que fala sobre o número mínimo de guardas civis diante da quantidade populacional do município. A capital baiana atende ao texto legal que observa a necessidade de até 0,2% (dois décimos por cento) da população, em Municípios com mais de 500.000 (quinhentos mil) habitantes.

“A estafa física e mental dos colegas alegada pelo prefeito é um processo que não tem origem no Carnaval. A gênese do problema acontece nas faltas de condições de trabalho que diariamente punem quem busca fazer um trabalho de excelência para o cidadão. O próprio prefeito quando enxerga conveniência exalta o trabalho operacional da Guarda Civil Municipal nos grandes eventos. Agora, para fomentar uma disputa política prefere esquecer do papel dos colegas guardas civis e assim fazendo, de forma errônea, diminui a credibilidade das nossas funções previstas em Lei”, observou o diretor do Sindseps, Marcelo Rocha.

“Diante de declarações equivocadas como essa, não poderíamos deixar passar ao largo, pois comprometem nossa atuação. Colocados para atuar ostensivamente nas ruas e durante a festa na responsabilidade do gestor municipal, esquece o prefeito que estaria prevaricando ao ordenar que esses servidores usurpassem função pública de outras esferas. A cada dia conquistamos a confiança da população soteropolitana que conta conosco para estabelecer a paz social e reforçar a segurança urbana e não podemos minimizar tais declarações sob pena de uma desconstrução da imagem que estamos fortalecendo junto à sociedade”, finalizou Rocha.

Além disso, verifique

Justiça reconhece demora da Prefeitura de Salvador em concluir processos de aposentadorias

As diversas denúncias feitas pelo Sindseps por conta da postura da Prefeitura de Salvador que ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.